Produtos Sustentáveis para Construção Civil - Conheça algumas novidades!

Produtos Sustentáveis para Construção Civil - Conheça algumas novidades!

Em linhas gerais a tecnologia e a inovação são inerentes ao desenvolvimento de produtos sustentáveis, capazes não somente de reduzir o impacto da construção civil no meio ambiente, mas também melhorar a qualidade de vida no planeta. Trata-se de um mercado extremamente dinâmico e com novidades surgindo toda hora, inclusive em produtos que antes eram sinônimos de poluição e degradação, como o cimento.

Listamos abaixo algumas dessas novidades, muitas delas infelizmente ainda não disponível ao público brasileiro.

 

 

 

 

 

  1. Cimento Fotocatalítico

É um cimento coberto com um ativo químico que reage com a incidência da luz solar (contém dióxido de titânio) transformando os poluentes presentes no ar em substâncias inertes, purificando o ar atmosférico. No esquema abaixo seu funcionamento.

fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/365946_ARQUITETURA+QUE+LIMPA+O+AR

fonte: http://www.istoe.com.br/reportagens/365946_ARQUITETURA+QUE+LIMPA+O+AR

O desenho acima é da fachada da Exposição Universal de Milão que utilizou cerca de 2000 toneladas desse concreto. Em razão do custo 10% superior ao concreto normal, essa foi a primeira edificação a utilizar o cimento em grande escala.

Apesar do custo superior, segundo a Italcementi, fabricante do cimento, a poluição nas grandes cidades poderia diminuir até 50% se 15% das superfícies de prédios e casas fossem construídas com esse tipo de concreto. Em cidades como São Paulo ou Campinas isso levaria a uma melhoria significativa na qualidade de vida.

     2.  Piso de Bambu

O Bambu leva de 6 a 7 anos para atingir sua maturidade, sendo possível após esse prazo, graças a sua estrutura radicular, a poda anual sem que se prejudique o meio ambiente e/ou altere a biologia da planta. Pela sua capacidade regenerativa e abundância é considerado um produto altamente sustentável.

O piso de bambu tem cores e tonalidades particulares não encontradas em outras madeiras, além de ser mais duro que o Jatobá e o Eucalipto, o que o torna uma opção de revestimento bonita, durável e muito resistente. A manutenção desse piso é mínima bastando um pano úmido para limpeza, sendo dispensado o uso de cera.

O custo do piso de bambu é ainda hoje bem mais alto que as madeiras normalmente utilizadas, como o jatobá e a perobinha.

Demonstração de fácil encaixe do piso, tornando a montagem facilitada e precisa

Demonstração de fácil encaixe do piso, tornando a montagem facilitada e precisa

      3. Madeira Plástica

A madeira plástica é um material diferenciado com inúmeras vantagens em relação a madeira tradicional. Esse material é resistente à corrosão por intempéries como a chuva e excesso de sol, e imune à pragas como cupins, insetos e roedores. Apesar da aparência de madeira comum, sua fabricação é feita com diversos tipos de plásticos reciclados e resíduos vegetais de agroindústrias.

Pelo fato da madeira plástica não empenar, não rachar, não soltar farpas, não absorver umidade (não cria fungos nem mofa), e por não precisar de pintura ou qualquer outra manutenção, pode ser destinado aos mais variados usos, como decks, piers, assoalhos em geral e revestimentos de fachadas e paredes.

O valor do m² de revestimento nesse tipo de material pode variar entre R$ 190,00 a 300,00 / m², o que dependendo do uso é compatível com as madeiras comuns, contudo, em razão do custo baixo de manutenção e da longa durabilidade, percebe-se hoje que o custo x benefício da madeira plástica justifica o investimento, isso sem contar o benefício ambiental.

Demonstração de resistência da madeira plástica.

Demonstração de resistência da madeira plástica.

    4. Tijolo de lã

Sim é isso mesmo, tijolo de lã! Com a ideia de desenvolver um composto mais sustentável, não tóxico e que utilizasse materiais locais abundantes, pesquisadores europeus desenvolveram um tijolo composto por lã, um polímero natural encontrado em algas e argila, resultando em um tijolo 37% mais forte que seus pares. Tem ainda secagem rápida e alta resistência ao clima frio e úmido predominante em alguns países europeus.

   5. Isolamento de papel

O isolamento de papel nasceu da necessidade de substituição das espumas químicas no isolamento térmico/acústico nas construções a seco. Ele é feito a partir de jornais reciclados e papelão, tendo, em razão da adição de bórax, ácido bórico, e carbonato de cálcio (materiais atóxicos) alta capacidade de retardamento de fogo e resistência ao ataque de insetos.

Pela sua fácil maleabilidade pode ser inserido nas cavidades das paredes, enchendo cada rachadura e criando um projeto quase sem vãos-livres.

Exemplo de preenchimento com papel.

Exemplo de preenchimento com papel.

FONTE: atosarquitetura.com.br